sábado, outubro 29, 2005

as margens vermelhas


Hoje tive o grato prazer de ver concretizar-se algo que apoiei e incentivei por diversas vezes.
O meu amigo Carlos Bueno viu finalmente publicado o seu primeiro livro de poemas.

Conheci-o há já muitos anos atrás e o nosso comum interesse pela Filosofia causou uma imediata e forte empatia entre nós. De vez em quando dava-me a ler alguns dos seus poemas. E cedo tive a percepção de estar perante um Poeta com maiúscula. Muitas vezes lhe disse isso e o aconselhei a procurar apoios para uma edição da sua obra, para que a nossa Cultura não ficasse privada de tão sublime escrita e peculiar visão do mundo.
É pela mão da Editorial Minerva que a obra está agora à disposição de quem a quiser ler e apreciar, o que aconselho vivamente.
Para o Carlos os meus votos de felicidade, boa sorte e... muita poesia!

p.s.: nunca nos entenderemos a respeito do Kant...

terça-feira, outubro 18, 2005

4 INTERVENÇÕES - escultura ao ar livre


Para já, não tenho mais informação acerca deste evento, mas fica aqui aquilo de que disponho:

4 Intervenções No Jardim Municipal de Oeiras.

Escultura ao ar livre.

Leonor Pêgo, Pedro Pires, Raquel Melo e Sérgio Reis.

23 de OUT a 22 NOV, 8-20 h., todos os dias, junto à C.P. de Oeiras.

sexta-feira, outubro 07, 2005

a manobra de diversão dum chefe em Oeiras


Tenho pensado muito nos últimos tempos na estranha aparição da mirabolante candidatura de Isaltino Morais à presidência da Câmara Municipal de Oeiras. E pus-me a pensar porque carga de água Isaltino quereria voltar para a Câmara.
Ora vejamos, se ele está sob investigação por suspeita de fraudes no lugar de presidente que ocupou, é óbvio que voltando a ocupá-lo, ficaria sob um verdadeiro manto de suspeição e policiamento de todos os seus gestos. Nem um traque poderia dar, que não aparecesse logo alguém da oposição a cheirar se ele estaria a roubar alguma coisa...! A única coisa que lhe restaria fazer seria trabalhar MESMO. Ora esta não me parece ser a sua maior vocação.
Naaaaaão... a resposta tem que ser outra.

Imaginei as possibilidades, se a Teresa Zambujo concorresse sozinha.
Sozinha com a imagem que tem junto dos munícipes; sozinha com a obra 'visível', que encha o olho, que não fez; sozinha com a obra positiva 'invisível', que ninguém vê, que fez; sozinha com a opinião negativa que a generalidade dos munícipes têm demonstrado a seu respeito; sozinha contra o ambicioso PS.
Não é difícil imaginar que o PS ficaria com as portas da Câmara escancaradas. Bastar-lhe-ia, o que talvez fosse difícil, concordo, apresentar um candidato credível, boas ideias, um discurso convincente. A Teresa Zambujo restar-lhe-ia apostar no discurso vago, que tem andado a fazer, e ter a esperança de que o PS não tivesse candidato à altura.
Mas o risco do PSD perder a Câmara de Oeiras era grande, demasiado GRANDE.
E o Marques Mendes pode ser pequenino de tamanho, mas não é estúpido. Só havia uma forma de garantir a vitória 'absoluta' do PSD na Câmara de Oeiras. Arranjar uma forma de conduzir os eleitores a uma votação maciça na candidata Teresa Zambujo.
E a forma que, acredito, os três (Marques Mendes, Teresa Zambujo e Isaltino Morais) cozinharam foi na verdade muito simples. Aliás, é com coisas simples que se enganam os simplórios: Atirar com uma candidatura do Isaltino para a molhada (disfarçar a tramóia com umas quantas peripécias e malabarismos que todos conhecem) e subrepticiamente instilar no espírto das pessoas que existia um perigo real de Isaltino ganhar as eleições e voltar à presidência da Câmara, para continuar a 'meter no bolso' o dinheiro dos contribuintes.
Esta jogada bestial fez o seu efeito e começou-se a sentir nas pessoas o medo de que acontecesse mesmo. Começou-se a espalhar a ideia de que a única forma de evitar a vitória do Isaltino era garantir a vitória da Teresa, através duma votação maciça nesta. Votos que teriam que vir de todo o lado, claro. Daí o brilhantismo do golpe. O medo atingiu tal proporção que ouvi eleitores tradicionais do PS, do BE e até do irredutível PCP dizerem que iam votar Teresa (só para a Câmara...) tal o medo que tinham que o Isaltino ganhasse!

A jogatina continua: Ainda há pouco o Jornal da Noite da SIC afirmava que as sondagens, ou projecções ou lá o que é, apontam para uma vitória de Isaltino Morais em Oeiras. A VER VAMOS...

josé antónio


Foto: © josé antónio 2005.

sábado, outubro 01, 2005

a certa infinitude



Um dos problemas no meu prédio era o assédio quase diário dos moços e moças da publicidade, o dia todo a tocarem às campainhas para lhes abrirem a porta, para além do habitual, e mais ou menos regular, carteiro. Já referi aqui um caso (muitos outros terão acontecido) em que alguém se fez passar pelo carteiro para lhe franquearem a porta...
As caixas de correio eram das antigas e instaladas no interior do hall de entrada.
O facto de serem antigas e colocarem este problema da porta, não temos video-vigilância e isso coloca problemas de segurança, levou-nos a vários debates em assembleias de condóminos no sentido de as substituirmos pelo modelo actual, moderno, recomendado pelos CTT, com abertura para o exterior do prédio. Decisão que acabámos por tomar.
Estas novas caixas têm algumas vantagens: a abertura é no exterior pelo que não é necessário entrar no prédio para nelas colocar a correspondência e são também maiores, o que é muito útil para quem recebe revistas ou livros, como cá em casa. Tenho diversos exemplares da Revista Portuguesa de Filosofia, uns calhamaços de cerca de 600 páginas, com as lombadas todas estuporadas da força que o carteiro fazia para as meter, até meio..., na caixa (isto sabendo eles que em tais casos devem tocar à campainha para entregar em mão, o prédio até tem elevador; ou deixar aviso; algumas fui levantar à estação de correios, apesar de eu estar em casa à hora a que o carteiro deixava os avisos..)

Mas não são só estas as vantagens. A grande vantagem é de facto a desnecessidade de entrar no prédio, logo de ter de tocar à campainha para alguém abrir a porta.
Ora no meu prédio, e também por diversas vezes referimos isso nas reuniões, há pessoas que têm o péssimo hábito de, quando lhes tocam à campainha, destrancar a porta da rua sem sequer perguntarem "quem é?", o que tem como consequência que toda a gente pode entrar à vontade, seja para pôr publicidade, seja para andar a pedir às portas, seja para divulgar serviços, seja para 'estudar' o prédio, seja para o que for. Quantas vezes atendi à porta e após ouvir que era 'publicidade', e responder que não abria, ao mesmo tempo ouvia o barulho do intercomunicador a ser mexido e o som do trinco indicando que alguém, cuja voz não se ouvira, tinha aberto a porta.

Há pouco tempo a obra foi finalmente executada e as caixas substituídas. O acesso a elas é agora feito pelo exterior do prédio, pelo que não há necessidade de tocar às campainhas. Este tipo de caixas, aliás, não tem ranhura pelo lado interior pelo que nada se pode lá meter, a não ser mesmo pelo exterior. Assim sendo, não há qualquer razão lógica para abrir a porta. Dita o mais puro bom-senso que tal não seja feito, não é?
Por isso, pensei que se fosse generalizando o hábito de não tocar para abrir a porta, à medida que carteiros e distribuidores de publicidade e propaganda fossem aprendendo e apreendendo a nova realidade.
De facto, tenho notado que tocam menos à porta. Agora quanto ao resto...

30 SET 2005.
Eram umas 17:35 quando soou a campainha da minha porta. Pelo timbre percebi que era a da entrada do prédio.
Dirigi-me à porta, levantei o intercomunicador, quem será a esta hora?
— Quem é?
— Fá favô, publicidadji tele-pizza — respondeu-me uma voz de rapaz, com sotaque.
— Desculpe, as caixas são lá atrás, com licença — esclareci enquanto me preparava para repôr o intercomunicador no suporte. Ainda tive tempo para ouvir o som característico do trinco da fechadura a estalar. Alguém tinha aberto a porta...


"Só 2 coisas são infinitas: o Universo e a estupidez humana. E eu não estou certo do primeiro..." Albert Einstein